2019-07-14

A queda das urbes: o escape de Ariadne


ABSINTO IX

BUSCAVA, pois, Ariadne, uma forma de escapar daquele caos; e intentava seguir para a floresta.
2 Estava no litoral, e o bramido do mar era de um aspecto sombrio, o prenúncio de uma catástrofe.
3 Horas depois do grande tremor, descera ela do prédio, depois de tomar para si mantimento.
4 E levava consigo uma mochila com o que podia, não com muitos pesos.
5 E, saindo às ruas, o caos por toda parte, e ruas eivadas de destroços.
6 No dia anterior deixara seu carro no estacionamento; assim, pois, para lá seguiu.
7 E o lugar estava abandonado, pois de todos que lá estiveram nenhum ficou.
8 Muitos dos veículos haviam sido atingidos, inclusive o dela próprio;
9 vendo, porém, que os danos não eram extensos a ponto de inutilizá-lo, removeu-os da caçamba da picape; e assim entrou e o acionou.
10 Buscava uma rota para sair da cidade; todavia, o dispositivo orientador não mais funcionava.
11 Seguiu por uma rota, como que por instinto, para afastar-se do litoral.
12 Teve de seguir pelas bordas da estrada, e mesmo por fora dela; por entre os destroços do caos.
13 Com muita dificuldade seguiu, até que lhe faltou combustível; vendo que não mais havia, tomou as bolsas e, largando mão do carro, seguiu para as montanhas.
14 Tomou o caminho de uma linha de trem que encontrou e por ela seguiu; e não havia trens a circular.
15 Seguiu por horas até encontrar um refúgio numa rocha, e por ali ficou.
16 E um homem de vestes brancas resplandecia por entre as paragens;
17 Pelo que, vendo ele a moça refugiada por entre as penhas, logo encobriu a sua glória; e, aproximando-se dela, notou que dormia.
18 Tocou-a, pois, à testa, aprofundando-lhe o sono, para que nem tão cedo despertasse.
19 E a carregou nos braços, bem como às bolsas, e a levou dali, por quase mil quilômetros.
20 E a trouxe a uma terra das montanhas, próximo da morada de Chednacia; e pô-la ao pé duma árvore, junto ao rochedo maior; e ali a deixou e se foi.